segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Confirmada construção do Anel de BH

20/12/2010 - Webtranspo

Governo estipula cronograma para o trabalho

infraestrutura_dnit_transporte-rodoviario
Obra transformará região metropolitana de BH


As obras para a construção do Anel Rodoviário de Belo Horizonte e para a duplicação da BR-381, na direção da cidade de João Monlevade, terão início no próximo mês, conforme o estipulado pelo Governo Federal, na última semana.

De acordo com as datas definidas por Paulo Sérgio Passos, ministro dos Transportes, o primeiro passo será viabilizar a licitação das obras do Trevo de Nova Lima, conhecido como Portal Sul, primeiro trecho a receber as obras. A obra do complexo viário deverá transformar a região metropolitana da capital mineira.

O projeto do Anel Rodoviário de Belo Horizonte e as obras complementares - intersecção com a BR-040, viaduto de acesso à rodoviária e vias marginais – custarão, aproximadamente, R$ 837 milhões.

O trabalho terá o apoio da Urbel (Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte), que fará os serviços de levantamento, desapropriações, realocação, integração com vias urbanas e equipamentos comunitários.

Em janeiro, o governo contratará a revisão do projeto básico, com os trabalhos de sondagem, topografia e outros levantamentos. A meta é concluir essa revisão até o final de abril de 2011.

Ainda no próximo mês será criado um Grupo de Trabalho, com participação de 13 engenheiros, que acompanhará o andamento do projeto, com o objetivo de garantir o cronograma de execução. Para o mês de março está marcada a convocação para a audiência pública.

Após a conclusão da licitação, os estudos deverão ser entregues em 12 meses, no máximo. A licitação será aberta em maio e concluída em julho. O governo estima que a construção do Anel Rodoviário será iniciada em agosto de 2011. O Trevo de Nova Lima, no mesmo complexo viário, com projetos adiantados, receberá antes os canteiros de obras, com licitação marcada já para janeiro.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Projeto de melhorias na Av. Cristiano Machado é apresentado

21/10/2010 - BHTrans

Convênio entre Prefeitura e Estado prêve aplicação de R$ 25 milhões na ampliação da capacidade viária

A equipe da Gerência de Projetos Viários da BHTRANS apresentou na última semana as propostas de alteração que serão rea lizadas no trânsito da avenida Cristiano Machado e adjacências. O projeto de ampliação da capacidade viária, apresentado para os gerentes da Regional Norte, faz parte de um convênio entre Prefeitura e Estado no qual serão aplicados cerca de R$ 25 milhões. O objetivo destas intervenções, no trecho entre o túnel da Lagoinha e a Rodovia MG10, é reduzir os congestionamentos e os acidentes e aumentar a segurança de pedestres e a fluidez do trânsito.

De acordo com o técnico Sergio Manini, o empreendimento prevê a construção de novas passarelas e a adequação das já existentes, além de implantação de gradil. Na região Norte serão construídas três novas travessias elevadas: na altura da estação de metrô, no bairro Primeiro de Maio, entre as avenidas Waldomiro Lobo e Saramenha e, ainda, próximo à Faculdade Faminas, na entrada do bairro Juliana. A proposta prevê ainda a retirada de semáforos para pedestres, readequação de pontos de ônibus, criação de novos acessos e novas faixas de trânsito e a criação de caminhos alternativos para distribuir melhor o tráfego e eliminar pontos de conflitos.

A equipe apresentou também uma proposta de requalificação da avenida Waldomiro Lobo, no trecho compreendido entre as ruas Siri e Maria Amélia Maia, que vai ganhar novas faixas para evitar os congestionamentos nos horários de pico. As intervenções sugeridas são fruto de um estudo realizado na área ao longo de 60 dias e devem ser implantadas no início do próximo ano. Antes, porém, de iniciar as obras, a BHTRANS fará uma apresentação do projeto para a comunidade com o objetivo de diminuir conflitos gerados pelo transtorno de obras.

Fonte: DOM


 Imagem: Divino Advincula

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Mais 30 Km de ciclovias em Belo Horizonte

BHTrans - 21/09/2010


BHTRANS publica edital de licitação para a contratação de projeto de 30km de ciclovias em Belo Horizonte.

 
A Prefeitura de Belo Horizonte comemora a Semana Nacional do Trânsito investindo na mobilidade urbana sustentável com ações que visam desestimular o uso do carro e incentivar os meios de transporte coletivo e não motorizados, como a bicicleta. E a BHTRANS publica, nesta quinta-feira, dia 23/9, o edital de licitação que prevê a contratação de uma empresa para elaborar o projeto de 30km de ciclovias em Belo Horizonte.

Ainda neste mês serão entregues as propostas da licitação para a contratação da empresa que irá executar 16,6 km de ciclovias, abrangendo as regiões Leste, Nordeste, Estação Barreiro, Norte, Savassi e avenida Américo Vespúcio, entre as avenidas Antônio Carlos e Carlos Luz.

Tudo isso faz parte do programa Pedala BH, de incentivo ao uso da bicicleta, da Prefeitura de Belo Horizonte e coordenado pela BHTRANS.

E nesta quarta-feira, no dia mundial "Na cidade sem meu carro", das 18h às 19h, durante a concentração de ciclistas na Praça da Liberdade, organizada pelo grupo Mountain Bike BH, a BHTRANS vai orientá-los sobre como usar a bicicleta de forma segura no trânsito de Belo Horizonte e distribuir material educativo, como folhetos com dicas importantes para a segurança dos ciclistas que circulam no tráfego misto. Também serão distribuídos bandeirolas e adesivos refletivos para melhorar a visibilidade das bicicletas.

O PEDALA BH

O programa Pedala BH visa trazer muitos benefícios para a cidade e para os cidadãos e tem como objetivo promover ou resgatar o uso da bicicleta na capital, criando facilidades para quem optar por esse meio de transporte. Para isso, o programa propõe ações que abrangem desde a definição e implantação de ciclovias e estacionamentos até campanhas de educação e de segurança no trânsito.

Apesar do imenso potencial apresentado por Belo Horizonte para o uso mais intensivo da bicicleta como veículo complementar, integrada ao sistema de transporte coletivo, o número de pessoas que fazem uso da bicicleta por aqui ainda é baixo. Segundo uma pesquisa realizada pela Fundação João Pinheiro, a porcentagem de viagens de bicicleta como transporte na capital mineira está na casa dos 0,6%, um número inferior à média nacional de 2,8%, e à média das cidades com mais de um milhão de habitantes, 0,9%.

O uso da bicicleta é uma prática cada vez mais valorizada e incentivada em grandes cidades de todo o mundo que buscam novas alternativas para a questão do transporte. A BHTRANS espera que, cada vez mais, as pessoas se tornem adeptas da bicicleta como meio de transporte alternativo. Desta forma, todos serão beneficiados: a cidade, que ficará menos congestionada e com o ar mais limpo, e a população, que vai ganhar mais qualidade de vida.



Assessoria de Comunicação e Marketing da BHTRANS, 21/9/10.

Boulevard Arrudas melhora mobilidade urbana


23/09/2010 - BHTrans

Tratamento de passeios para a circulação de pedestres e a implantação de faixas preferenciais para o transporte coletivo estão entre as obras
Passeios adequados e acessíveis para a circulação de pedestres, faixas preferenciais para o transporte coletivo, ciclovia e um novo projeto de paisagismo. Essas são algumas melhorias que as obras de cobertura do Boulevard Arrudas, que começaram no sábado, dia 18, vão trazer para Belo Horizonte.

Com conclusão prevista para o primeiro semestre de 2011, as obras consistem na colocação de 565 vigas sobre o Ribeirão Arrudas, no trecho entre a rua Carijós e a avenida Barba­cena, compreendendo 1.100 metros da avenida do Contorno. Desde junho, estão sendo investidos R$ 63,5 milhões, recursos do Governo Federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para obras de mobilidade para a Copa do Mundo de 2014.

O superintendente de Desenvolvimento da Capital, Fer­nando Jannotti, explicou que a atividade de colocação das vigas vai ser efetivamente realizada somente no sábado, para evitar transtornos no trânsito durante a semana.

O prefeito Marcio Lacerda visitou no sábado o primeiro trecho onde as vigas foram colocadas e falou sobre o projeto de expansão da obra. De acordo com Marcio, a Prefeitura está na fase de desenvolvimento do projeto executivo para estender o trabalho de cobertura do Arrudas até o Coração Eucarístico, o que vai significar mais melhorias para a capital.

“No trecho Carijós/Bar­bacena e, posteriormente, Bar­bacena/Coração Eucarístico estamos incorporando outros elementos, tanto paisagísticos como de conforto para o pedestre, que vão representar um avanço importante para a cidade”, disse. O prefeito enfa­tizou que o trabalho de recuperação estrutural da laje de fundo e das paredes do Ar­rudas, realizado no ínicio deste ano, vai contribuir para que não haja interferência das chuvas no trabalho de cobertura do ribeirão e que as obras vão cumprir o prazo previsto.

A característica principal do Boulevard Arrudas é o tratamento adequado e significativo de passeios confortáveis e acessíveis para a circulação de pedestres, fornecendo estrutura para instalação de mobiliário urbano e melhoria do transporte coletivo a partir do alargamento de trechos da avenida com a implantação de faixas preferenciais para o transporte coletivo. Outro ponto é a criação de iluminação da pista de rolamento no canteiro central e dos passeios. Esses ga­nhos ambientais são possíveis a partir da construção de laje sobre todo o trecho em questão do canal, no vetor leste oeste. As obras também incluem um projeto de paisagismo, com a plantação de quase 600 árvores.

O secretário regional Centro-Sul, Fernando Cabral, afirmou que o projeto é importante para Belo Horizonte sob diversos aspectos. “Além de viabilizar o trânsito e ser uma questão de higiene, devido ao restaurante popular próximo ao local, o espaço passa a ser uma possibilidade para a realização de eventos. O projeto é uma nova saída para a cidade”, disse. Cabral também explicou que a conclusão das obras será um complemento importante não só para a cidade em geral, mas também para a rodoviária, que já conta com o projeto de uma passarela para unificar a estação de metrô e o terminal.

Melhorias no trânsito

O presidente da BHTrans, Ramon Victor César, afirmou que o trânsito de Belo Horizonte tem muito a ganhar com a conclusão do projeto. “O corredor Oeste, formado pela Via Expressa e pelas avenidas Tereza Cristina e Amazonas é um dos trechos de maior volume de tráfego, inclusive com uma grande circulação de transporte coletivo por ônibus. Essa obra facilitará muito o desempenho do trânsito no corredor”, explicou.

Ramon disse que, com o projeto, a Prefeitura aumenta a capacidade de circulação de veículos e de pedestres, incentiva o uso da bicicleta como meio de transporte com a inserção de uma ciclovia no local e requalifica do ponto de vista urbanístico uma importante área da cidade.

A obra do Boulevard Arrudas inclui...

- Trabalhos para recuperação estrutural da laje de fundo
- Recobrimento da canalização
- Canteiro central elevado
- Demolição e reconstrução dos passeios para adequação às normas de acessibilidade
- Novas pistas de rolamento
- Construção de ciclovia
- Recuperação e ampliação da drenagem pluvial
- Implantação de postes de iluminação pública e sinalização de trânsito
- Paisagismo

Assessoria de Comunicação Social da PBH







Imagem: Portal Estado de Minas




http://bhtrans.pbh.gov.br/portal/page/portal/portalpublico/Imprensa/ribeirao

domingo, 19 de setembro de 2010

Grande BH tem descentralização do emprego e da renda


Marta Vieira - Estado de Minas
Publicação: 19/09/2010 07:57 Atualização:
 

Quem diria que os municípios do entorno da capital fariam sombra à metrópole na evolução dos rendimentos do trabalho, uma questão central que alimenta o êxodo dos trabalhadores em direção a BH? Nos últimos sete anos, de fato, os vencimentos dos trabalhadores que moravam e trabalhavam nos municípios da periferia da região metropolitana surpreenderam, com crescimento de 5,9% ao ano. Em 2009, a renda média, descontada a inflação, atingiu R$ 909 por mês.

Quem trabalhou em BH, mas morava nos demais municípios, viu seus rendimentos crescerem a taxas de 3,5% anuais de 2003 a 2009. A renda média real no ano passado era de R$ 1.165, de acordo com o estudo “Urbanização, mobilidade populacional e novas especialidades no contexto metropolitano de Belo Horizonte: tendências recentes e os desafios ao planejamento urbano”. A boa-nova, para o economista Mário Rodarte, um dos autores da pesquisa, está justamente nessa tendência de desconcentração do emprego e da renda na Grande BH, como reflexo do surgimento de alguns polos de desenvolvimento fora da capital.

A assistente administrativa Natália Santos Silva, de 25 anos, saiu beneficiada pela recente onda de expansão da indústria e das empresas prestadoras de serviços à mineração em Nova Lima, distante 22 quilômetros da capital. À procura de novas experiências profissionais, no ano passado ela deixou uma indústria de massas em troca do trabalho numa grande prestadora de serviços de pesquisa mineral.

O segmento de prestação de serviços à indústria é um dos que mais cresce fora da capital, observa Lincoln Gonçalves, da Fiemg, junto à expansão de empreendimentos na rota do chamado Vetor Norte de BH, em direção ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana. A Fiemg está trabalhando com taxas de crescimento de 11,5% da indústria mineira neste ano. Mário Rodarte, do Dieese, destaca que a capital ainda preserva a condição de mercado de trabalho mais ativo e estruturado no setor de prestação de serviços, oferecendo maior número de vagas e melhores salários ao trabalhador. (MV) 
 

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Interdição na região da Pampulha para obras de novo viaduto



Viaduto sobre a Avenida Presidente Antônio Carlos vai demandar interdições a partir de 30/06/2010

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da BHTRANS, informa que em função das obras de implantação do viaduto da Avenida Antônio Abraão Caram sobre a Avenida Presidente Antônio Carlos, executadas pelo Governo do Estado de Minas Gerais em parceria com a Prefeitura, a Rua Assis das Chagas e a Avenida Professor Magalhães Penido serão interditadas a partir de quarta-feira, dia 30/6.

Faixas de tecido serão afixadas para orientação aos condutores. Agentes da Unidade Integrada de Trânsito (BHTRANS e Polícia Militar) e da Guarda Municipal irão operar o tráfego na região. Informações sobre trânsito e transporte coletivo podem ser obtidas por meio da Central de Relacionamento Telefônico da Prefeitura, pelo telefone 156, ou no portal da empresawww.bhtrans.pbh.gov.br.

Para a segurança de todos, a BHTRANS orienta aos motoristas que redobrem a atenção e respeitem a sinalização implantada durante a operação.

Confira as interdições:

- A Avenida Professor Magalhães Penido será interditada no trecho entre a Avenida Presidente Antônio Carlos e a Rua Noraldino de Lima, nos dois sentidos.

Opções de desvios

Sentido Centro/ Bairro

..., Avenida Presidente Antônio Carlos, Rua Noraldino de Lima (à direita), Avenida Professor Magalhães Penido (à esquerda), ...

Sentido Bairro/ Centro

Será mantida a entrada e saída de veículos na faixa da direita (trânsito local).

- A Rua Assis das Chagas será interditada no trecho entre a Rua João Fernandes e a Avenida Professor Magalhães Penido.

Opção de desvio

Sentido Centro/ Bairro (único)

..., Rua Assis das Chagas, Rua João Fernandes (à direita), Rua Boaventura (à esquerda), Rua dos Aeronautas (à esquerda), Avenida Professor Magalhães Penido (à direita), ...

Assessoria de Comunicação e Marketing da BHTRANS, 29/6/2010.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

BR Malls e CCP construirão shopping em Belo Horizonte


O Globo online, 23/jun
A administradora de shopping centers BR Malls e a Cyrela Commercial Properties - empresa de investimento em imóveis comerciais - vão desenvolver, em parceria, o Shopping Estação BH. O empreendimento localiza-se na Zona Norte de Belo Horizonte e deve ser entregue no segundo trimestre de 2012. Segundo comunicado divulgado nesta terça-feira, a CCP controlará indiretamente 40% do projeto.
O novo shopping será construído sobre a Estação Vilarinho do metrô da capital mineira, devendo se beneficiar do movimento de passageiros e também do fluxo de pessoas no terminal rodoviário vizinho à estação. De acordo com a nota da BR Malls, a área onde o projeto se localiza é a de "maior desenvolvimento na cidade de Belo Horizonte, em grande parte devido à construção da Linha Verde, uma via expressa de acesso ao aeroporto de Confins, e a uma série de desenvolvimentos imobiliários". 

segunda-feira, 14 de junho de 2010

PBH tenta atrair empresas para nova rodoviária e o BRT


10/6/2010
O Tempo (MG)


A Prefeitura de Belo Horizonte espera atrair até 2012 cerca de R$ 600 milhões em investimentos por meio do modelo de Parceria Público-Privada (PPP) para obras de infraestrutura na capital mineira, exceto os projetos de expansão do metrô. Hoje, a PBH lança o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), uma espécie de consulta pública, em busca de interessados nos projetos de concessão que devem durar até 20 anos, Estão incluídas a construção do centro de convenções da avenida Cristiano Machado e do espaço gastronômico do Cruzeiro, onde hoje funciona o mercado distrital. O prazo para o recebimento das propostas é de 60 dias.
       
Para atrair os investimentos, a PBH precisa criar uma empresa de ativos, com recursos entre R$ 1,2 bilhão e R$ 1,5 bilhão, para dar garantias aos negócios. A administração municipal também buscaviabilizar parcerias para a construção do novo terminal rodoviário, do hospital metropolitano, estacionamentos subterrâneos e de estações para o ramal de transporte rápido urbano, BRT (Bus Rapid Transit).
A expectativa é que as licitações ocorram entre o segundo semestre deste ano e o primeiro semestre de 2011. Ontem, o prefeito Marcio Lacerda e o presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) fizeram a apresentação dos projetos a representantes de bancos privados, fundos de pensão, consultorias, construtoras e empresas. "Parte importante dos investimentos da prefeitura virá da iniciativa privada por meio de concessões ou PPPs", disse Lacerda.
           
A participação da prefeitura será com a alocação de recursos ou por meio da cessão de terrenos. De acordo com o presidente do BDMG, Paulo Paiva, a instituição poderá atuar na construção das modelagens de parceria, na intermediação dos negócios e no financiamento dos projetos.

PAC 2 prevê levar o metrô até o Novo Eldorado, em Contagem.       
Segundo o prefeito Marcio Lacerda, do total de cerca de R$ 18 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2 para a área de mobilidade, uma "parcela considerável" será destinada ao metrô.
           
Cerca de R$ 1,026 bilhão já estariam assegurados para a capital mineira, com vistas à Copa do Mundo de 2014. Lacerda disse que foram incluídos no projeto de PPP do metrô mais dois quilômetros de extensão até o bairro Novo Eldorado, em Contagem, que terá ainda uma rodoviária anexa. Outro projeto prevê a construção de um ramal de transporte de massa, ligando a estação Vilarinho ao Centro Administrativo. O modelo de PPP, no entanto, precisa do aval do presidente Lula. "É uma decisão política. Achamos que a PPP é mais viável", disse Lacerda. (ZM)

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Licitações abertas para melhorias em avenidas de BH



27/05/2010
O melhor meio de transporte coletivo para atender o Vetor Sul de Belo Horizonte, em Minas Gerais, será analisado por uma empresa especializada, contratada por meio de licitação aberta pela BHTrans. O edital foi publicado nesta semana no Diário Oficial do Município. As informações são do portal “Uai”.
A empresa que vencer vai ter que elaborar o Estudo de Desenvolvimento de Transporte do Eixo Sul, avaliando a alternativa mais viável para a sequência de vias que ligam o Centro da cidade ao Bairro Belvedere, formada pelas avenidas João Pinheiro, Cristõvão Colombo e Nossa Senhora do Carmo.
As opções são: nova linha do metrô; corredor rápido de ônibus, chamado de Bus Rapid Transit (BRT); veículo leve sobre trilhos (VLT); veículo leve sobre pneus (VLP); e monotrilho (meio ferroviário sobre trilhos suspensos por pilares). A BHTrans prevê um investimento de R$ 1 milhão.
O resultado da licitação deverá ser publicado em julho. O estudo está previsto para ser concluído sete meses depois, em fevereiro de 2011.

terça-feira, 11 de maio de 2010

R$ 53 milhões contra gargalos no trânsito


11/5/2010
Estado de Minas (MG)

Novo pacote de obras, no valor de R$ 53,3 milhões, promete melhorar o tráfego nas avenidas Cristiano Machado e Antônio Carlos, em Belo Horizonte. O governador Antonio Anastasia (PSDB) e o prefeito Marcio Lacerda (PSB) assinaram, ontem, convênios para a construção, com recursos do governo estadual, de viaduto, passarelas, alargamento de pista e complementação de intervenções já existentes nos dois importantes corredores viários da capital. Os serviços fazem parte do conjunto de benefícios programados para a Copa de 2014. No caso da Cristiano Machado, a expectativa é de que a conclusão ocorra em menos de um ano.
  
O primeiro convênio, de R$ 20,8 milhões, prevê investimento para aumentar a fluidez no tráfego e garantir maior segurança aos pedestres na Cristiano Machado. Serão construídas quatro passarelas para pedestres nas ruas Alberto Cintra, Gilson Bretas, Jaguariba e Gabirobas, além de duas que estão em implantação nas ruas Modelo e Piracema. Outras quatro serão complementadas na Via 710, próximo ao Minas Shopping, na Rua Geraldo Faria de Souza (entre os bairros Sagrada Família e da Graça), na Avenida José Cândido da Silveira com Rua Baggio Depolizzi e na Avenida Bernardo Vasconcelos, perto do Hotel Ouro Minas. Também serão implantados seis quilômetros de gradil para proteção de pedestres.
  
Até o fim do ano, devem restar apenas 10 dos 29 semáforos hoje existentes na Cristiano Machado. A medida visa a diminuir o tempo de deslocamento entre o Centro da cidade, o aeroporto de Confins, na Grande BH, e a Cidade Administrativa, no Bairro Serra Verde. Com as novas passarelas e complementação das já existentes, serão eliminadas 14 travessias de pedestres. O segundo convênio prevê aplicação de R$ 3 milhões em 33 intervenções também na Cristiano Machado, com reforço de sinalização, implantação de baias para ônibus, realocação de pontos de parada, regularização de calçadas e correções geométricas.
  
Investimento O governo estadual vai destinar R$ 10 milhões para a execução do complexo viário entre as avenidas Antônio Carlos e Abrahão Caram, que devem financiar as desapropriações que devem ocorrer nas imediações. As obras fazem parte do planejamento estratégico para a Copa do Mundo de 2014 e vão facilitar o acesso ao Mineirão e ao câmpus da Universidade Federal de Minas Gerais. As intervenções na Antônio Carlos fazem parte da segunda etapa da duplicação e devem ser concluídas em dezembro.
  
Anastasia autorizou também o início das obras do viaduto que reestrutura o Complexo da Lagoinha. Serão investidos R$ 19,5 milhões na implantação da alça de 326 metros de extensão e 9 metros de largura, ligando o Bairro Lagoinha, na Região Noroeste, ao Centro. A obra possibilitará conexão do tráfego com origem na Avenida Antônio Carlos e destino à Avenida Pedro II e Centro, via rua dos Caetés. No sentido inverso, o viaduto dará acesso à Antônio Carlos a partir da Rua Guaicurus. A nova via será instalada paralelamente ao Viaduto Nansen Araújo, já existente. No local, já podem ser vistos os tapumes, isolando a área onde serão implantadas fundações do viaduto. Uma das metas das obras é favorecer o transporte coletivo, reduzindo o número de veículos particulares e os engarrafamentos.


Qualidade de vida
  
Pesquisa desenvolvida pelo Núcleo de Transportes (Nucletrans) da UFMG vai avaliar a qualidade de vida urbana nas imediações das moradias de Belo Horizonte, condições de acessibilidade a locais de interesse e de mobilidade urbana da população. O formulário, respondido apenas pela internet (www.pesquisabh.eng.ufmg.br) aborda temas como existência ou não de serviços, entre eles a coleta do lixo domiciliar e tempo gasto para deslocamento até o trabalho. A equipe é coordenada pelo professor David José Ahouagi Vaz de Magalhães, do Nucletrans/Escola de Engenharia.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Vetor Norte atrairá mais de R$ 500 mi em investimentos


10/5/2010
O Tempo - MG 

O desenvolvimento do Vetor Norte da região metropolitana de Belo Horizonte, com a conclusão da Linha Verde e da Cidade Administrativa, tem beneficiado o Nordeste da cidade. "A região vai atrair investimentos superiores a R$ 500 milhões até 2014", afirma o secretário da Regional Nordeste Cláudio José Vilela. Hoje, à noite, uma audiência pública na sede da regional irá discutir os impactos do chamado "Center Minas", empreendimento que, segundo Vilela, terá como principais âncoras as redes Leroy Merlin e Wal-Mart.

Além do futuro centro de compras, localizado entre o Minas Shopping e a estação do metrô, a regional lista outros projetos ainda em fase de licenciamento, como a expansão do Minas Shopping e as construções do centro de convenções de Belo Horizonte, da nova rodoviária e da Via 710, que ligará a Pedro II até a avenida dos Andradas.

A audiência pública é a primeira etapa para que os empreendimentos recebam as licenças de instalação e operação. Procuradas pela reportagem, Leroy Merlin e Wal-Mart preferiram não adiantar os planos para a construção do centro comercial.


Projetos. 


A apresentação do projeto será feita pela ETO Construtora, mesma empresa responsável pelas obras de construção da unidade da Leroy no Belvedere, zona Sul da capital mineira. Lá, a rede de materiais de construção teve que assumir uma série de contrapartidas para minimizar os impactos na região.

Na Nordeste, o centro de compras deve ocupar uma área de 73 mil metros quadrados, com duas grandes lojas e uma torre comercial com mais de dez andares. O investimento estimado é de até R$ 100 milhões. O projeto de construção da Via 710 já passou pela audiência pública e aguarda a licença prévia para o início dos estudos. "Será um semianel, que começa pela avenida Andradas (na altura do bairro Esplanada), passa pela Cristiano Machado, Bernardo Vasconcelos, Antônio Carlos, Américo Vespúcio até a Catalão", disse. A prefeitura trabalha na obtenção de recursos que podem chegar a R$ 80 milhões.

Já a nova rodoviária, estimada em R$ 100 milhões, está em fase de projeto arquitetônico, que deve ser concluído em 60 dias. Ela será construída próximo à estação São Gabriel, em parceria com o setor privado.


Vale aplica R$ 138 mi
Outra obra que deve mexer com a região Nordeste é o projeto de modernização da linha férrea entre Belo Horizonte e Sabará, de responsabilidade da ferrovia FCA, subsidiária da mineradora Vale. Orçado em cerca de R$ 138 milhões, o projeto encontra-se em fase de licenciamento pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), segundo a assessoria da ferrovia.

Um dos principais investimentos em infraestrutura ferroviária de Minas Gerais, a obra, segundo a FCA, deve beneficiar 250 mil pessoas em dez bairros. A “transposição” da ferrovia é uma promessa antiga, que agora promete sair do papel. Um dos gargalos é no bairro São Geraldo, onde a linha atravessa. A regional Nordeste prevê o início das obras para julho. A ferrovia, no entanto, ainda não fixou data.

O processo de implantação, que inclui a contratação das empreiteiras e a realização do programa de aquisição de áreas e indenização de benfeitorias, terá início após a liberação das licenças ambientais e da emissão dos alvarás de obra pelas prefeituras municipais de Belo Horizonte e Sabará. O projeto de engenharia, bem como os recursos necessários à execução das obras serão de responsabilidade da Vale. A previsão é que, depois de iniciadas, as obras durem aproximadamente 30 meses.

Nos períodos de pico da produção, o trecho de 8,3 km é utilizado por 28 composições, diariamente, carregadas com soja, minério, ferro-gusa e produtos siderúrgicos.

sábado, 8 de maio de 2010

Planejamento Estratégico Integrado para a Copa de 2014



BHTrans - 30/04/2010

Programa reúne ações que irão preparar Belo Horizonte para receber jogos e turistas durante o Mundial

Em 2014, o Brasil irá sediar a Copa do Mundo, quando deverá receber cerca de 500 mil estrangeiros entre os meses de junho e julho. Em 2009, após a escolha de Belo Horizonte como uma das cidades-sede para os jogos do Mundial, a Prefeitura da capital e o Governo de Minas Gerais se uniram para desenvolver um planejamento estratégico para o maior evento esportivo do planeta integrando projetos que irão preparar a cidade para receber os jogos e os turistas. O Planejamento Estratégico Integrado para a Copa de 2014 foi lançado nesta quinta-feira, dia 29, pelo prefeito Marcio Lacerda e pelo governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, no auditório do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).

Os presidentes do Comitê Executivo das Copas, Tiago Lacerda, da PBH, e Tadeu Barreto Guimarães, do Governo do Estado, apresentaram o planejamento que integra os projetos dos governos municipal e estadual. O planejamento se baseia na seguinte estrutura: Mapa Estratégico, Carteira de Projetos e Matriz de Alcance dos Projetos. Serão implantados na capital projetos nas áreas de infraestrutura esportiva, mobilidade, turismo, comunicação e marketing, utilidade pública e requisitos da Federação Internacional de Futebol (Fifa). 

Segundo o prefeito Marcio Lacerda, com a apresentação do Planejamento ficou demonstrado que a PBH e o Governo do Estado estão bem preparados e isso se deve ao esforço cooperado, que é um exemplo que Minas Gerais continua dando ao Brasil, através de um modelo de gestão moderna e avançada ."A vinda da Copa para o país é a demonstração do avanço econômico, constitucional e político que o Brasil vem dando mostras nos últimos tempos. O marketing da cidade é a oportunidade para que Belo Horizonte se firme no cenário internacional", afirmou. 

Marcio acrescentou que a união de esforços deve estar acima de tudo em nome desse projeto que vai trazer benefícios para toda a população. "As tarefas são grandes e complexas. Certamente estamos dando a cada dia um passo positivo, mas esta tarefa vai exigir de todos os envolvidos um espírito de parceria, união e boa vontade", ressaltou.

De acordo com o governador Antonio Anastasia, realizar a Copa do Mundo será um grande desafio e o planejamento apresentado é o primeiro passo para o cumprimento desta tarefa. Anastasia ainda afirmou que o Estado e a Prefeitura estão fazendo um esforço grande para que Belo Horizonte sedie a abertura da Copa do Mundo. "Tudo o que está sendo realizado tem o objetivo de cumprir com todo rigor as exigências da Fifa. Também queremos colocar o Mineirão em plenas condições de disputarmos a cerimônia de abertura do Mundial", disse. 

"O Planejamento Estratégico irá garantir o melhor aproveitamento dos recursos públicos, o cumprimento do cronograma e a agilidade na implantação dos projetos. Pensamos no planejamento pós-copa e desejamos conseguir o máximo de melhorias para a cidade e, por meio dos projetos de infraestrutura, deixar um bom legado para a sociedade", salientou Tiago Lacerda. 

Os Projetos do Planejamento Estratégico

O Planejamento Estratégico organiza as ações em 54 projetos divididos em seis eixos temáticos, que estão detalhados na contracapa desta edição.

- Infraestrutura Esportiva: inclui projetos e ações necessárias para garantir a infraestrutura esportiva para Minas Gerais e Belo Horizonte receberem a Copa do Mundo.

- Mobilidade: reúne projetos para melhorar o acesso a Belo Horizonte e a mobilidade dentro do município.

- Turismo e Rede Hoteleira: agrega projetos e ações para garantir a satisfação dos turistas, incluindo acomodação, recepção e entretenimento durante a Copa.

- Comunicação e Marketing: são projetos e ações necessários para promover Minas Gerais e Belo Horizonte nacional e internacionalmente. 

- Utilidade pública: grupo temático no qual estão reunidos os projetos ligados às áreas de telecomunicações, energia, saúde, segurança, ações sociais e de meio ambiente. O objetivo é assegurar pleno funcionamento de todas estas áreas durante a realização do evento. 

- Requisitos da Fifa: grupo temático criado especificamente para tratar das demandas do Comitê Olímpico Local e da própria Fifa. 


Conheça os eixos temáticos do Planejamento Integrado

Infraestrutura Esportiva 

O eixo compreende a modernização do Mineirão para os jogos das Copas das Confederações (2013) e do Mundo (2014). A obra, que já esta em andamento desde janeiro, será dividida em três fases. Na primeira parte da obra, serão corrigidas as anomalias estruturais das vigas de sustentação do estádio. A partir da segunda etapa, que será iniciada em julho, estão previstas a demolição da geral e o rebaixamento do gramado em 3,5 metros. Nessa fase, o estádio será fechado ao público e os jogos dos times da capital serão transferidos para os estádios Independência, em Belo Horizonte, e para a Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. Para a terceira fase das obras, prevista para ser iniciada em dezembro, o governo do Estado apresentou a proposta de gestão compartilhada para intervenções civis, manutenção e gestão do estádio. Outra meta deste eixo é assessorar e desenvolver um plano de operação para os municípios com potencial para atração de outras seleções. 

Mobilidade 

Neste ponto, a meta é realizar obras de mobilidade urbana visando à melhoria do acesso a Belo Horizonte e às cidades turísticas do Estado. Outras medidas, como a ampliação do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, também serão tomadas. Para os visitantes que chegarem à capital de ônibus, será construído o novo Terminal Rodoviário, no bairro São Gabriel. O impacto na circulação de veículos, a proximidade com a estação do metrô e o vínculo com o Anel Rodoviário influenciaram a escolha do local. 

Obras para facilitar o deslocamento entre a região central e o Mineirão já estão sendo feitas, como a duplicação da avenida Antônio Carlos e a implantação da Linha Verde e dos corredores rápidos para o transporte coletivo em vias estratégicas, como as avenidas Pedro I, Pedro II, Carlos Luz e Cristiano Machado. Também serão criados viadutos nos cruzamentos das avenidas Antônio Carlos e Abraão Caram para melhorar o acesso ao Mineirão. 

Turismo e Rede Hoteleira 

Desenvolver ações para melhoria da infraestrutura e de serviços de informação com foco no atendimento ao turista é o foco deste eixo. O objetivo é incentivar a implantação de hoteis, apart-hoteis, cinemas, auditórios, bibliotecas, museus e centros de convenções, além de incrementar atividades de apoio aos hospitais que prestam atendimento de urgência e emergência. 

O planejamento também determina a ampliação da rede hoteleira. O Conselho Municipal do Meio Ambiente (Comam) aprovou a Deliberação Normativa 65, que tem como objetivo simplificar o licenciamento dos empreendimentos hoteleiros em Belo Horizonte. Ainda para promover um bom atendimento aos turistas, a cidade começa a preparar voluntários e trabalhadores para a Copa de 2014. Belo Horizonte é a primeira capital brasileira a registrar seu potencial linguístico, através de testes como o Toeic, que têm como objetivo avaliar e gerar uma amostra da capacidade de comunicação dos belorizontinos na língua inglesa, auxiliando a Prefeitura na identificação das reais necessidades de treinamento da população já inserida no mercado de trabalho. O Toeic é uma iniciativa da Prefeitura de Belo Horizonte, realizada em parceria com a Fundação de Educação Geni Nunes (Fundeg).

Comunicação e Marketing 

Várias ações estão previstas neste eixo, como adequar o espaço do ginásio Mineirinho para ser usado como um Centro Multimídia; divulgar a imagem de Belo Horizonte e de Minas Gerais no contexto nacional e internacional, com foco na consolidação do município como destino turístico do Brasil; desenvolver e implementar um plano de comunicação e marketing com o objetivo de atingir todos os públicos na mobilização e comprometimento com o Mundial. Outra meta é atrair seleções, de preferência de grande visibilidade internacional, para Belo Horizonte.

Utilidade Pública 

Neste ponto, o objetivo é realizar obras de meio ambiente que busquem a despoluição da Lagoa da Pampulha, além de desenvolver a infraestrutura necessária aos sistemas de segurança, saúde, energia e telecomunicação para atender as demandas da Copa de 2014. Também estão previstas ações esportivas em parceria com a área de desenvolvimento social no Estado e iniciativas sustentáveis na execução dos projetos vinculados à Copa do Mundo. Outra meta é estabelecer e implantar a metodologia para concessão do Certificado de Sustentabilidade Ambiental a empreendimentos em Belo Horizonte.

Fonte: BH Notícias

Imagem: Divino Advíncula

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Duplicação da Antonio Carlos – Segunda etapa


Secretaria de Transortes MG - abril 2010

Criar PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
A duplicação da Avenida Antonio Carlos vai beneficiar mais de 3 milhões de pessoas. O projeto vai gerar empregos, atrair investimentos, movimentar o comércio e agilizar, com segurança, o deslocamento de trabalhadores.
A duplicação da Antonio Carlos vai aumentar a fluidez no tráfego, reduzindo os custos operacionais do sistema de transporte. Pedestres e população vizinha terão mais segurança. O acesso do trabalhador será mais rápido. Com a requalificação de áreas urbanas, a poluição irá diminuir.

Os investimentos na região tendem a crescer com a valorização de imóveis comerciais e residenciais sob a área de influência da Avenida e a possibilidade da mudança de zoneamento da área. O desenvolvimento vai permitir a atração   e instalação de empreendimentos, gerando empregos diretos e indiretos durante e depois da construção da obra.
Convênio Antonio Carlos

O início da segunda fase das obras de duplicação da avenida Antônio Carlos, entre a rua Operários e o Complexo da Lagoinha, começou com a assinatura do convênio entre o Governo do Estado e a Prefeitura de Belo Horizonte, no dia 28 de janeiro de 2009. Estão sendo investidos recursos da ordem de R$ 250 milhões, sendo R$ 190 milhões do Governo do Estado e R$ 60 milhões da prefeitura para alargamento da pista, construção de sete viadutos, com alargamento de pistas, construção de viadutos e desapropriações. A previsão é que as obras sejam concluídas em 2010.
Novos Viadutos
Hoje, a Antônio Carlos possui, no trecho em obras, apenas uma pista por sentido com três faixas de rolamento cada uma. Com a ampliação, passará ter quatro faixas por pista, além de uma terceira pista, com duas faixas exclusivas para o fluxo de ônibus.

Também está prevista a construção de sete novos viadutos para facilitar especialmente o acesso aos bairros adjacentes. Esses viadutos terão, no mínimo, duas faixas por sentido, contribuindo para evitar congestionamentos.

Na altura da rua Rio Novo, o viaduto vai complementar o Complexo da Lagoinha, atendendo as interligações do Viaduto Leste e da rua Célio de Castro com a avenida Pedro II, além das ruas Bonfim, Itapecerica e Além Paraíba. Estas ligações ficam disponíveis também para o viaduto Oeste e para a avenida Cristiano Machado.
Viaduto Rio Novo
Viaduto Rio Novo
Na rua Formiga, próximo ao conjunto IAPI, os viadutos e soluções viárias em desnível irão promover a interligação da região do bairro São Cristóvão como a dos bairros Lagoinha e Bom Jesus.
Viaduto Formiga
Viaduto Formiga
A interseção da rua Araribá em mão dupla, substituirá a transposição da avenida Antônio Carlos, que hoje é feita pela rua Jequitaí, por meio da ligação da rua Serra Negra e imediações, e possibilitará o reposicionamento dos veículos dos bairros Bom Jesus e São Cristóvão, com forte impacto na região do Hospital Belo Horizonte.
Viaduto Arariba
Viaduto Arariba
O viaduto, em mão dupla direcional, interligando a rua dos Operários com a avenida Paranaíba, promove a ligação da região dos bairros Cachoeirinha e Bom Jesus com São Cristóvão e Renascença.
Viaduto Operarios
Viaduto Operarios
A conclusão do alargamento da Antônio Carlos vai criar um corredor de ligação entre os aeroportos da Região Metropolitana (Pampulha e Confins) ao Centro de Feiras e Exposições de Minas Gerais (Expominas). Uma via de acesso rápido que, juntamente com a Linha Verde, vai alavancar o desenvolvimento do turismo de negócios da capital.
Antônio Carlos ganhará 1.500 novas árvores
Projeto paisagístico elaborado para a segunda etapa de duplicação da avenida Antônio Carlos, prevê o plantio de 1,5 mil mudas de árvores ao longo da avenida Antônio Carlos, no trecho entre a rua Operários, no bairro Cachoeirinha, até o Complexo da Lagoinha. Essas árvores substituirão as 140 que estão sendo retiradas devido as obras de ampliação da via, que está tendo a largura ampliada de 25 metros para 52 metros.
Pela Antônio Carlos circulam 85 mil veículos por dia e o alargamento vai beneficiar os usuários de transporte coletivo com a diminuição no tempo das viagens para as regiões Norte da Região Metropolitana de Horizonte, Pampulha e Venda Nova

Como recompensa, novas árvores nascerão em outros lugares. Para cada árvore retirada, serão plantadas dez outras. Está no contrato com a empreiteira da obra o plantio das árvores.

No caso da Antonio Carlos, a proteção ao meio ambiente se faz por meio das compensações possíveis, quando é necessário o avanço do desenvolvimento, sempre sustentável, com a compensação imediata, incluindo, posteriormente, um projeto paisagístico para a nova avenida.

Estão previstas plantio de árvores ao longo das calçadas, nos canteiros centrais da bus-way, nas calçadas dos viadutos e nas áreas remanescentes da obra.
Antonio Carlos: Geração de empregos e impostos
As obras da segunda etapa de duplicação da avenida Antônio Carlos, com investimentos de R$ 250 milhões, vão gerar aproximadamente  4.700 empregos diretos e indiretos, pelos cálculos do Sindicato da Indústria da Construção Pesada no Estado de Minas Gerais (Sicepot), que prevê a criação de um emprego para cada R$ 30 mil investidos diretamente em infraestrutura. No caso das intervenções na Antônio Carlos os investimentos em obras estão orçados em R$ 139 milhões e o restante para desapropriação.
Dados da Câmara Brasileira do Comércio da Construção (CBIC) demonstram a potência do setor da construção na geração de empregos na economia: para cada 100 postos de trabalho gerados diretamente no setor, em média, outros 285 são criados indiretamente na economia. Estima-se, que para cada R$ 1 milhão a mais na demanda final da construção, sejam gerados 177 novos postos de trabalho na economia, sendo 34 diretos e 143 indiretos, segundo a entidade.
Pode-se avaliar melhor os efeitos multiplicadores da indústria de construção, a partir do incremento dos segmentos fornecedores de matérias-primas e equipamentos para a construção e dos setores de serviços e distribuição ligados ao setor e no potencial de criação de empregos (diretos e indiretos), além de seus efeitos na geração de impostos. O volume de investimentos da obra da Antônio Carlos vai gerar uma arrecadação de mais de R$ 3 milhões de ISS (Imposto Sobre Serviços) para a Prefeitura de Belo Horizonte.
O Banco Mundial também destaca o efeito multiplicador do denominado setor do Construbusiness na geração de emprego e renda. Dados da entidade apontam que para cada 1% de crescimento na infraestrutura corresponde, em média, um crescimento de 1% do PIB. E para cada 1% de crescimento do PIB corresponde um crescimento de cerca de 0,5% do emprego. Portanto, uma expansão de 1% na infraestrutura faz o emprego crescer 0,5%.
A indústria da construção impulsiona a maioria dos segmentos produtivos, seja através de sua diversificada demanda industrial ou indiretamente pela geração de emprego e renda, além de que os insumos dessa indústria.
Desapropriações e indenizações
Nesta terceira etapa da obra na Antônio Carlos, R$ 111 milhões serão destinados a 240 desapropriações. Nas duas primeiras etapas, concluídas em novembro, o Governo do Estado investiu R$ 16 milhões, recursos transferidos para a Prefeitura de Belo Horizonte através da Codemig, para serem aplicados na desapropriação e na indenização dos proprietários dos imóveis. O investimento do Estado impulsionou o ritmo das obras, pois permitiu maior agilidade na remoção das famílias que residiam às margens da avenida
Qualidade de Vida
A duplicação da Antonio Carlos  vai possibilitar uma melhoria na qualidade de vida dos habitantes diretamente beneficiados pela obra. O tempo de deslocamento do trabalhador para o centro e de retorno à residência vai diminuir.
Com a construção de passarelas, trincheiras, viadutos, esta será uma via mais segura para pedestres e motoristas. A requalificação urbanística promoverá a melhoria das condições ambientais e paisagísticas.
Empresa Responsável pelas Obras:
Consórcio Andrade Gutierrez/ Barbosa Mello
Números da Antônio Carlos:
Extensão: 2,2 km
Valor de Investimento Total: R$ 250 milhões, sendo:
  • Governo de Minas R$190 milhões (76%)
  • Prefeitura de Belo Horizonte R$60 milhões (24%)

Valor Investido em Infraestrutura: R$139 milhões (55,6%)
Valor Investido em Desapropriações: R$111 milhões (44,4%)
Viadutos a serem edificados: 7
Imóveis desapropriados: 240
Numero de empregos diretos e indiretos: 4.700
Previsão de conclusão das obras:  Março de 2010
Largura atual das pistas: 25 metros
Largura Prevista: 52 metros
Número de árvores a serem plantadas: 1500
Número de faixas de tráfego em cada sentido (pós duplicação): 4
Número de faixas em cada sentido na busway (pós duplicação) 2
Número de veículos/dia: 85 mil
Dados importantes
A Avenida Antônio Carlos é a principal artéria de trânsito da regional da Pampulha, em Belo Horizonte bem como de importância geral para a cidade.

Nela está localizado o Campus da Universidade Federal de Minas Gerais, principal universidade do estado de Minas Gerais. Aberta no governo de Juscelino Kubitschek para dar acesso a região turistíca da Pampulha, a avenida Presidente Antônio Carlos começa na Região Central de Belo Horizonte, no tradicional bairro da Lagoinha e se estende por cerca de oito mil metros na direção norte até a Barragem da Pampulha. Atravessa bairros populosos como Cachoeirinha, Aparecida, Bom Jesus e São Francisco. A conclusão desse projeto, imaginado a muitos anos, é considerada de importância estratégica para a cidade, uma vez que a Antônio Carlos é um acesso direto ao Estádio do Mineirão, principal arena esportiva de Belo Horizonte, que pretende ser sede de jogos da Copa do Mundo de 2014.

terça-feira, 30 de março de 2010

Novo trecho da avenida Antônio Carlos é liberado




  • Novo trecho da avenida Antônio Carlos é liberado

    Dois viadutos previstos, próximos à rua Formiga e ao Conjunto IAPI, serão finalizados até maio.

    A população de Belo Horizonte conta agora com uma avenida Antônio Carlos mais rápida e segura. A Prefeitura e o Governo do Estado entregaram no dia 30/3 o novo trecho da obra de alargamento da avenida, entre o Complexo da Lagoinha e a rua dos Operários, no bairro Cachoeirinha. O prefeito Marcio Lacerda, o governador Aécio Neves, o vice-governador Antônio Anastasia e outras autoridades liberaram o trecho..

    Foram entregues 2,2 quilômetros de avenida, com quatro faixas de trânsito em cada sentido, uma pista exclusiva para ônibus, além de cinco viadutos, dois localizados na rua Araribá, um na rua Rio Novo e dois na rua dos Operários. Os outros dois viadutos previstos, próximos à rua Formiga e ao Conjunto IAPI, serão finalizados até maio..

     De acordo com o prefeito, as obras irão garantir mais mobilidade para a cidade. "A duplicação da Antônio Carlos é uma grande conquista para a população de Belo Horizonte e da região metropolitana. A tendência é que o trânsito melhore, assim que forem implantadas as linhas de BRTs (sistema de transporte rápido por ônibus). Esperamos que até 2012, o sistema já esteja operando", afirmou. Marcio ainda salientou que a duplicação da Antônio Carlos também irá possibilitar uma melhoria na qualidade de vida dos habitantes diretamente beneficiados pela obra. "O tempo de deslocamento do trabalhador para o Centro e de retorno à residência vai diminuir", ressaltou.<.

    Aécio Neves classificou a obra como magnífica e disse estar emocionado ao ver que em tão pouco tempo foi possível realizar uma intervenção que era esperada há décadas. "Nós estamos dotando Belo Horizonte dos recursos e da infraestrutura necessária para ela alçar voos. A Antônio Carlos é uma parceria com a Prefeitura e só com parceria é que as coisas acontecem", salientou. A obra recebeu investimentos da ordem de R$250 milhões, sendo R$190 milhões de recursos do Governo do Estado e R$60 milhões da Prefeitura..

    TRANSPORTE COLETIVO

    Com a liberação do trecho duplicado o embarque e desembarque de passageiros é realizado na pista exclusiva para ônibus (busway), com a transferência de grande parte dos pontos para a pista central, de acordo com nova distribuição das linhas. Foram implantados 20 pontos de ônibus na busway, em ambos os sentidos, e cada um deles possui um abrigo para proteção dos usuários. Também foram implantadas seis novas travessias de pedestres semaforizadas, além de gradis, para proporcionar mais segurança e tranquilidade à população.

    Durante os primeiros dias, após a liberação do tráfego, serão realizadas ações educativas para orientar pedestres e motoristas sobre a importância de respeitar a sinalização, enfatizando a travessia segura pela faixa de pedestre. Monitores da BHTRANS irão atuar informando os usuários do transporte coletivo sobre a nova localização dos pontos de ônibus na busway. Agentes da Unidade Integrada de Trânsito monitoram periodicamente o tráfego na região..

    MELHORIAS NO TRÁFEGO

    A interseção da rua Araribá, em mão dupla, substituirá a transposição da avenida Antônio Carlos, que hoje é feita pela rua Jequitaí, por meio da ligação da rua Serra Negra e imediações, e possibilitará a reordenação dos fluxos dos veículos com origem e destino aos bairros Bom Jesus e São Cristóvão, com forte impacto na região do Hospital Belo Horizonte. O viaduto da rua Rio Novo complementa o Complexo da Lagoinha e atenderá, além do tráfego das ruas Diamantina, Francisco Socasseaux e Araxá em direção ao Centro, as interligações do Viaduto Leste e da rua Célio de Castro com avenida Dom Pedro II. Serão beneficiadas também as ruas Bonfim, Itapecerica e Além Paraíba. Estas ligações ainda permitirão acessos ao viaduto Oeste e à avenida Cristiano Machado.

    O viaduto sobre a avenida Antônio Carlos interligará a rua dos Operários e a avenida Paranaíba, promovendo a ligação da região dos bairros Cachoeirinha e Bom Jesus com os bairros São Cristovão e Renascença. Dessa forma, o trânsito com origem e destino a esses bairros deixa de interferir no tráfego principal da avenida Antônio Carlos..

    Três passarelas foram acopladas aos viadutos, passagens foram semaforizadas e calçadas rebaixadas. Também foi implantada sinalização especial com piso tátil de alerta próximos aos pontos de ônibus, telefone públicos e lixeiras nos 2,2 quilômetros entra a rua Operários e o Complexo da Lagoinha. Qualquer tipo de projeção acima de 60 centímetros nos passeios recebeu sinalização especial no piso, alertando para a existência de obstáculos..

    TRECHOS ENTREGUESO primeiro trecho finalizado da obra de duplicação da avenida Antônio Carlos e entregue à população, em junho de 2007, vai da rua Viana do Castelo, no bairro São Francisco, até a rua Aporé, no bairro Aparecida. Nesse trecho, foram duplicados 1.340 metros da avenida e construída uma trincheira sob a Antônio Carlos. A trincheira interligou as avenidas Bernardo Vasconcelos e Américo Vespúcio, propiciando uma ligação mais rápida da região Nordeste com a Noroeste. O segundo trecho duplicado, com cerca de 600 metros, fica entre as ruas Aporé e Operários, no bairro Aparecida, e conta com pistas de busway, escadarias e rampas de acesso para os moradores.

    Outra etapa das obras de duplicação da avenida Antônio Carlos foi a revitalização do Complexo da Lagoinha permitiu a interligação das avenidas do Contorno (viaduto Oeste), Antônio Carlos, Pedro II e Cristiano Machado, sem a necessidade de se passar pela região central da cidade. A conclusão do alargamento da Antônio Carlos cria um corredor de ligação entre os aeroportos da Região Metropolitana (Pampulha e Confins) ao Centro de Feiras e Exposições de Minas Gerais (Expominas). Uma via de acesso rápido que, ao lado da Linha Verde, vai alavancar o desenvolvimento do turismo de negócios da capital..

    A OBRA EM NÚMEROS.Valor do investimento: R$250 milhões.

    Viadutos construídos: 7.

    Número de empregos diretos e indiretos: 4.700.

    Largura das pistas: 52 metros.

    Número de árvores plantadas: 1.500.

    Número de faixas de tráfego em cada sentido para veículos em geral: 4.

    Número de faixas em cada sentido na pista de ônibus: 2.

    Número de veículos por dia: 85 mil.

    Assessoria de Comunicação e Marketing da BHTRANS, 30/3/2010 

Imagem: Divino Advícula.